Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Misia recibe el libro "Portugal Querido"

por Arte&Cultura, em 30.08.16

Durante la reciente visita en Buenos Aires  de la cantante y actriz portuguesa Misia  con motivo de su actuación en la obra teatral "Giosefine",recibió el libro "Portugal Querido" de Mario Lopes que reúne testimonios de portugueses residentes en Argentina.

IMG_1616[1].JPG

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49

Declaración de "Interés Legislativo",Cámara de Diputados de la Provincia de Buenos Aires

por Arte&Cultura, em 24.06.16

 

 

Respaldo-unanime-contra-la-violencia-de-genero..jp

 

 

 

LA HONORABLE CAMARA DE DIPUTADOS DE LA PROVINCIA DE BUENOS AIRES POR INICIATIVA DEL DIPUTADO EDUARDO BARRAGAN DECLARA DE "INTERES LEGISLATIVO" EL LIBRO "PORTUGAL QUERIDO" DEL PERIODISTA MARIO DOS SANTOS LOPES,ES UN NUEVO RECONOCIMIENTO A LA VALIOSA CONTRIBUCION REALIZADA POR LA COLECTIVIDAD PORTUGUESA AL DESARROLLO DE LA ARGENTINA.

 

CHANGU BARRAGAN.jpg

 

 

 

 

 

Proyecto Completo

 
D- 649/16-17- 0         PROYECTO DE RESOLUCION
Fecha Inicio:  31/03/2016 13:45:07
DECLARANDO DE INTERES LEGISLATIVO EL LIBRO "PORTUGAL QUERIDO", ESCRITO POR EL PERIODISTA MARIO DOS SANTOS LOPES.
Autor: BARRAGAN EDUARDO ALBERTO  (CAMBIEMOS BUENOS AIRES )

Honorable Cámara de DIPUTADOS
Fecha Estado Parlamentario: 21/04/2016
Despacho de Comisiones
Comisión Fecha de Entrada Despacho Fecha Despacho
 ASUNTOS CULTURALES  21/04/2016  APROBADO  17/05/2016
 DIR GRAL. LEGISLATIVA  09/06/2016    

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:55

Nueva declaración de "Interés Cultural" a la obra de Mario dos Santos Lopes*

por Arte&Cultura, em 07.04.16

PORTUGAL QUERIDO, DECLARADO DE INTERÉS PROVINCIAL Y CULTURAL POR LA SECRETARÍA DE CULTURA DE LA PROVINCIA DE BUENOS AIRES.

 

pqinterescultpciabsas.jpg

 

pqinterescultpciabsas1.jpg

 

pqinterescultpciabsas2.jpg

 

 * 

 Mario Dos Santos Lopes nació en la Ciudad de Buenos Aires,cursó sus estudios en el centenario Colegio San José del barrio de Balvanera,se recibió de docente en el Instituto Santa Catalina de la Obra Salesiana de Don Bosco.
Viajó a la Patagonia para ejercer la docencia y vive en Puerto Deseado,Provincia de Santa Cruz hace más de treinta años,allí descubrió su verdadera vocación: el periodismo,actividad que ejerce hasta nuestros días.
De profundas convicciones cristianas vive como piensa y piensa como vive,quizás el éxito de su carrera periodística como Director del Periódico El Orden,la radio,cientos de participaciones en otros medios y la publicación de tres libros es hablar en un lenguaje claro y sin ambajes con una honestidad poco usual en una profesión asediada por los intereses de todo tipo.
Hace casi cinco años Mario Lopes lanzó a traves de las redes sociales una amplia convocatoria para colectar testimonios sobre la inmigración portuguesa en Argentina,no quería frias estadísticas,tampoco buscaba estudios inmigratorios propios de ámbitos academicos,quería historias simples,relatos de gente común que algún día dejó todo buscando un destino mejor a diez mil kilómetros de distancia.
La respuesta no se hizo esperar y cientos de historias con nombre y apellido comenzaron a llenar su casilla de mensajes,protagonistas directos de la diáspora,sus hijos,nietos y amigos de Portugal ofrecieron generosamente su experiencia para el libro que lleva el nombre "Portugal Querido" y que fue presentado en sociedad durante el 2014 en la Universidad Católica Argentina con el apoyo del Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires,Consejo de las Colectividades Portuguesas de Argentina  y la Federación de Colectividades Extranjeras,la obra de Mario Lopes mereció la distinción de "Interés Cultural" por parte del Gobierno de la Provincia de Santa Cruz,Municipalidad de Morón,Honorable Cámara de Diputados de la Nación y la Agencia Córdoba Cultura.
Mario Lopes asegura tener material suficiente para un segundo libro,la comunidad portuguesa decidió dejar un testimonio escrito y contemporaneo de su permanencia en Argentina que según datos oficiales no excederían las diecisiete mil personas.
Sin apoyo oficial pero con una voluntad inquebrantable propia de un hijo de portugueses "construyó su castillo con las piedras que fué encontrando en el camino" aludiendo al poeta portugués Fernando Pessoa.
Mario sueña que el compendio de experiencias lusitanas resumidas en más de doscientas páginas llegue a todas las escuelas rurales del país entre otras instituciones "tengo la ilusión de que las futuras generaciones sepan del esfuerzo y trabajo honrado de nuestros mayores portugueses en un país que les abrió los brazos generosamente" finalmente agregó que cada Club de nuestra colectividad tendrá un ejemplar gratuito en su biblioteca.
Actualmente el libro "Portugal Querido" se encuentra en la Biblioteca Apostólica Vaticana (Roma),Gabinete Portugués de Lectura (Salvador,Bahia),Biblioteca Nacional (Buenos Aires),Centro de Estudios Migratorios Latinoamericanos,Parlamento de Gran Bretaña,Biblioteca de Sintra (Potugal) y en las principales casas de estudios de los Estados Unidos (Emory University, Brigham Young University, Tulane University, University of North Carolina at Chapel Hill,Princeton University,The University of Chicago; Harvard College Library; University of Toronto; The New York Public Library; Yale University Library; The Library of Congress; New York University; Miami University; University of California; The Library of Congress; Columbia University Library; Florida International University, University of Texas, University of Pitsburgh; University of Notre Dame).
 
El libro "Portugal Querido" de Mario Dos Santos Lopes se convierte  en el único material contemporáneo sobre la inmigración portuguesa en América Latina y será una referencia inevitable de estudio en las instituciones privadas y públicas que ya le han manifestado su interés.

 

mariobanner.jpeg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:29

El Capellán de la Comunidad Portuguesa en Argentina recibe el libro "Portugal Querido".

por Arte&Cultura, em 22.01.16

El Padre Irineu Zotti es Capellán de la Colectividad Portuguesa en Argentina y Director General del CEMLA,en el día de hoy le fue obsequiado un ejemplar del libro "Portugal Querido" del periodista lusodescendiente Mario dos Santos Lopes.

IMG_0452[1].JPG

 

IMG_0454[1].JPG

 

 

 

El CEMLA posee la primera biblioteca especializada y dedicada exclusivamente a las migraciones de la Argentina, que cuenta hoy con más de cuatro mil volúmenes entre libros y publicaciones seriadas.

Animado por el impulso organizador y la vitalidad de su fundador, Luigi Favero, c.s., el CEMLA abrió sus puertas el 28 de diciembre de 1985, precedido por las Primeras Jornadas sobre Inmigración e Identidad, realizadas en agosto de ese mismo año, y por la publicación del primer número de Estudios Migratorios Latinoamericanos, la primera revista académica dedicada con exclusividad a los temas migratorios en el subcontinente.

IMG_0455[1].JPG

IMG_0458[1].JPG

 

IMG_0459[1].JPG

 

 

 

 

Entre sus primeras tareas encaró la preservación y microfilmación de fuentes documentales de la inmigración en la Argentina y, en particular, de la inmigración italiana en Argentina, Uruguay y Chile, y la organización de Congresos y Jornadas con participación de especialistas de diversas disciplinas, de la Argentina y del exterior.
Junto con la preocupación por rescatar para la memoria colectiva la documentación relativa a las migraciones históricas surgió la necesidad de estudiar y documentar las más recientes, cuya integración en la historia de la inmigración y, más generalmente, del país, está aún pendiente.

El CEMLA posee la primera biblioteca especializada y dedicada exclusivamente a las migraciones de la Argentiuna, que cuenta hoy con más de cuatro mil volúmenes entre libros y publicaciones seriadas.
Invitado por instituciones nacionales e internacionales, el CEMLA ha realizado cursos de formación para agentes, funcionarios y docentes, con material específico de apoyo de producción propia.

http://cemla.com

IMG_0463[1].JPG

 

IMG_0460[1].JPG

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

ASSOCIAÇÃO MULHER MIGRANTE

por Arte&Cultura, em 21.01.16

Caro amigo Victor:
Um livro magnífico, memória de tantas histórias de vida que ligam Argentina e Portugal!
As minhas sinceras felicitações.
Com estima e admiração, as cordiais saudações.

Maria Manuela Aguiar

MULHER MIGRANTE ASSOCIAÇÃO DE ESTUDO COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE.

 

 

logo mm.gif

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03

Livro relata vida dos emigrantes

por Arte&Cultura, em 20.01.16

Relatos emocionados de emigrantes que deixaram Portugal e encontraram na Argentina um novo lar.

“Vivíamos em São Brás de Alportel... e o meu pai levava-me a passear todos os dias quando chegava do trabalho. Eu era a filha mais velha de três irmãos e de mais um ainda por nascer..." Esta é apenas uma das histórias de 'Portugal Querido', um livro assinado por Mário dos Santos Lopes que relata as memórias das famílias que deixaram Portugal e se radicaram na Argentina.

 

Mário dos Santos Lopes, jornalista e professor, é ele próprio filho de portugueses que dobraram o Atlântico à procura de um novo lar. Depois do apelo lançado nas redes sociais, selecionou 254 páginas "recheadas de testemunhos de emigrantes, referências históricas da passagem portuguesa pela Argentina, homenagem a clubes a associações dedicadas à nossa cultura e ainda relatos de cantoras argentinas que se apaixonaram pelo fado".

 

Em 'Portugal Querido', há testemunhos de emigrantes portugueses de várias origens, mas sobretudo algarvios. Para a hercúlea tarefa, Mário dos Santos Lopes contou com o apoio do irmão Victor, que abriu em Córdoba a Pousada São Brás. Ao longo de cinco anos procurou histórias de portugueses e foram mais os relatos que aquelas que pode colocar no livro. Rosa Fernandes, professora de português em Villa General Belgrano, António Monteiro, o famoso pintor que nasceu em Lisboa e que vive, desde décadas, na cidade de Córdoba também lá estão.

 

E Yudith conta o relato emocionado da partida do pai, as dificuldades da mãe para criar os filhos e do novo irmão que deveria chamar-se Abel. Havia também as cartas do pai: "Numa delas, ele dizia: 'Yudith, neste momento, olhando as estrelas, vejo nelas o brilho dos teus olhos', palavras que me ficaram gravadas na memória, apesar da minha tenra idade".

 

pqpublicidad.jpg

 

http://www.inalgarve.net/#!livro-relata-vida-dos-emigrantes/yf2gc

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:40

Portugal Querido: Um livro escrito por quem tem Portugal no coração.

por Arte&Cultura, em 20.01.16

O livro “Portugal Querido” chega-nos pelas mãos de quem está longe, mas tem desejo de voltar. 

Mário dos Santos Lopes conta com a ajuda do seu irmão Victor para escrever um livro que nos conta histórias de vários emigrantes que vivem na Argentina. São 254 páginas recheadas de testemunhos de emigrantes, referências históricas da passagem portuguesa pela Argentina, homenagem a clubes a associações dedicadas à nossa cultura e ainda relatos de cantoras argentinas que se apaixonaram pelo fado.

 

 

O livro conta das memórias das famílias que, deixando Portugal, encontraram na Argentina um novo lar. Rosa Fernandes, professora de português em Villa General Belgrano, e a de António Monteiro, o famoso pintor que nasceu em Lisboa e que vive, desde décadas, na cidade de Córdoba deixam o seu testemunho.

 

 

Também Yudith Rosa Viegas contou a sua história. A de uma mulher que atravessou o oceano sem saber como era o pai que a esperava no outro lado do Atlântico. O destino desta família algarvia e de muitas outras famílias portuguesas foi recolhido por Mário dos Santos Lopes durante cinco anos

 

 

Vivíamos em São Brás de Alportel... e o meu pai levava-me a passear todos os dias quando chegava do trabalho. Eu era a filha mais velha de três irmãos e de mais um ainda por nascer... De um dia para o outro, deixei de ver o meu pai e com quatro anos — e ele apenas com 23 — não podia entender o que tinha acontecido, nem para onde tinha ido. Ao ficarmos sozinhos, fomos viver para o campo, no sítio Dos Machados, com a minha mãe Gertrudes, grávida de oito meses. Ela teve de ir trabalhar, pelo que eu e os meus irmãos ficávamos sozinhos, quase todo o dia. Começaram a chegar as primeiras cartas. O meu pai pedia que o filho, se fosse varão, se chamasse Abel. Os dias passavam e eu só via cartas. Numa delas, ele dizia: 'Yudith, neste momento, olhando as estrelas, vejo nelas o brilho dos teus olhos', palavras que me ficaram gravadas na memória, apesar da minha tenra idade”, conta Yudith Rosa Viegas.

 

 

O livro “PORTUGAL QUERIDO” é mais um passo nessa ponte entre os dois países. Para que se lembrem das histórias de todos os que, um dia, escolheram a distante Argentina para começar uma nova vida.

 

pqbanner.jpg

 

http://infocul.pt/cultura/portugal-querido-um-livro-escrito-por-quem-tem-portugal-no-coracao/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:37

Livro “Portugal Querido” relata a vida dos emigrantes são-brasenses (e não só) na Argentina

por Arte&Cultura, em 20.01.16

Livro “Portugal Querido” relata a vida dos emigrantes são-brasenses (e não só) na Argentina

O livro conta-nos histórias de vida, de quem emigrou em épocas distintas e se instalou em todo o território argentino: algarvios, minhotos e serranos construíram, na primeira metade do Século XX, uma nova vida num país que estava, também ele, a ser ainda construído.

Mário dos Santos Lopes, 55 anos, contou com um “empurrão” do irmão, Victor, para começar a escrever o livro que foi uma verdadeira empreitada familiar, entre irmãos, filhos e genros. O resultado foi uma obra de 254 páginas com muitas histórias de emigrantes, algumas referências históricas da passagem portuguesa pela Argentina, participações de emigrantes lusos noutros países, vários textos sobre os clubes e associações dedicadas à cultura nacional e relatos de cantoras argentinas que se apaixonaram pelo fado. O fio condutor do livro é, contudo, a compilação das memórias das famílias que, deixando Portugal, encontraram um novo lar na Argentina.

A publicação inclui, entre outras, a história de Rosa Fernandes, professora de português em Villa General Belgrano, e a de António Monteiro, o famoso pintor que nasceu em Lisboa e que vive, desde há décadas, na cidade de Córdoba.

“Vivíamos em São Brás de Alportel… e o meu pai levava-me a passear todos os dias quando chegava do trabalho. Eu era a filha mais velha de três irmãos e de mais um ainda por nascer… De um dia para o outro, deixei de ver o meu pai e com quatro anos – e ele apenas com 23 – não podia entender o que tinha acontecido, nem para onde tinha ido. Ao ficarmos sozinhos, fomos viver para o campo, no Sítio dos Machados, com a minha mãe Gertrudes, grávida de oito meses. Ela teve de ir trabalhar, pelo que eu e os meus irmãos ficávamos sozinhos, quase todo o dia. Começaram a chegar as primeiras cartas. O meu pai pedia que o filho, se fosse varão, se chamasse Abel. Os dias passavam e eu só via cartas. Numa delas, ele dizia: «Yudith, neste momento, olhando as estrelas, vejo nelas o brilho dos teus olhos», palavras que me ficaram gravadas na memória, apesar da minha tenra idade”, conta Yudith Rosa Viegas.

Assim começa a sua história, a de uma mulher que atravessou o oceano sem saber como era o pai que a esperava no outro lado do Atlântico. O destino desta família algarvia e de muitas outras famílias portuguesas foi recolhido por Mário dos Santos Lopes durante cinco anos.

Mário dos Santos Lopes, autor do livro, conta que na Argentina ganhou “uma enorme riqueza ao conhecer experiências muito diversas, a dor suprema do desenraizamento somado à falta de comunicação com a família que ficava para trás, tão longe, e a sensação de que não regressariam mais a casa”. Valoriza e sabe que o mesmo aconteceu com os leitores: “O sacrifício e a resignação do imigrante que vive nos piores lugares, aceita os piores empregos, a tentar passar despercebido para não ser marginalizado ou maltratado, apesar de a Argentina ter sido um país de portas abertas para todo o mundo”, refere.

Na Argentina, os pratos tradicionais, os clubes onde se reproduziam (e reproduzem) “corridinhos” e “viras minhotos” e os programas de rádio dedicados ao fado ajudam ainda a matar saudades de casa aos cerca de 17 mil cidadãos portugueses que estão inscritos na Embaixada Portuguesa, em Buenos Aires.

O livro “Portugal Querido” é mais um passo nessa ponte entre os dois países. Para que não se percam as histórias de todos os que, um dia, escolheram a distante Argentina para começar uma nova vida. Uma e outra vez.

 

pquca.jpg

 

 http://planetalgarve.com/2016/01/04/livro-portugal-querido-relata-a-vida-dos-emigrantes-sao-brasenses-e-nao-so-na-argentina/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:31

São dezenas de relatos, histórias de vida, de quem emigrou em épocas distintas e se instalou em todo o território Argentino

por Arte&Cultura, em 09.04.15

portugalqueridotapa.jpg

 

Com o intuito de compilar histórias de emigrantes portugueses na Argentina, Mário dos Santos Lopes, professor, escritor e jornalista no país sul-americano, filho de portugueses (algarvios), escreveu o livro “Portugal Querido”. São dezenas de relatos, histórias de vida, de quem emigrou em épocas distintas e se instalou em todo o território Argentino: algarvios, minhotos e serranos construíram, na primeira metade do século XX, uma nova vida num país que estava, também ele, a ser ainda construído. A publicação inclui, entre outras, a história de Rosa Fernandes, professora de português em Villa General Belgrano, e a de António Monteiro, o famoso pintor que nasceu em Lisboa e que vive, desde há décadas, na cidade de Córdoba. “Vivíamos em São Brás de Alportel… e o meu pai levava-me a passear todos os dias quando chegava do trabalho. Eu era a filha mais velha de três irmãos e de um ainda por nascer… De um dia para o outro, deixei de ver o meu pai e com quatro anos — e ele apenas com 23 — não podia entender o que tinha acontecido, nem para onde tinha ido. Ao ficarmos sozinhos, fomos viver para o campo, no sítio Dos Machados, com a minha mãe Gertrudes, grávida de oito meses. Ela teve de ir trabalhar, pelo que eu e os meus irmãos ficávamos sozinhos, quase todo o dia. Começaram a chegar as primeiras cartas. O meu pai pedia que o filho, se fosse varão, se chamasse Abel. Os dias passavam e eu só via cartas. Numa delas, ele dizia: ‘Yudith, neste momento, olhando as estrelas, vejo nelas o brilho dos teus olhos’, palavras que me ficaram gravadas na memória, apesar da minha tenra idade.” Assim começa a história de Yudith Rosa Viegas, que atravessou o oceano sem saber como era o pai que a esperava no outro lado do Atlântico. O destino desta família algarvia e de muitas outras famílias portuguesas foi recolhido por Mário dos Santos Lopes durante cinco anos. Mário dos Santos Lopes, 55 anos, contou com um “empurrão” do irmão, Victor, para começar a escrever o livro que foi uma verdadeira empreitada familiar, entre irmãos, filhos e genros. O resultado foi uma obra de 254 páginas com muitas histórias de emigrantes, algumas referências históricas da passagem portuguesa pela Argentina, participações de emigrantes lusos noutros países, vários textos sobre os clubes e associações dedicadas à cultura nacional e relatos de cantoras argentinas que se apaixonaram pelo fado. O fio condutor do livro é, contudo, a compilação das memórias das famílias que, deixando Portugal, encontraram um novo lar na Argentina. “Eu ganhei uma enorme riqueza ao conhecer experiências muito diversas, a dor suprema do desenraizamento somado à falta de comunicação com a família que ficava para trás, tão longe, e a sensação de que não regressariam mais a casa. Valorizei, e sei que o mesmo aconteceu com os leitores, o sacrifício e a resignação do imigrante que vive nos piores lugares, aceita os piores empregos, a tentar passar despercebido para não ser marginalizado ou maltratado, apesar de a Argentina ter sido um país de portas abertas para todo o mundo”, refere. Na Argentina, os pratos tradicionais, os clubes onde se reproduziam (e reproduzem) “corridinhos” e “viras minhotos” e os programas de rádio dedicados ao fado ajudam ainda a matar saudades de casa aos cerca de 17 mil cidadãos portugueses que estão inscritos na Embaixada Portuguesa, em Buenos Aires. O livro “Portugal Querido” é mais um passo nessa ponte entre os dois países. Para que não se percam as histórias de todos os que, um dia, escolheram a distante Argentina para começar uma nova vida. Uma e outra vez.

http://www.revistaport.com/portugal-querido-dos-emigrantes-portugueses-na-argentina/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:45


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D